Pular para o conteúdo principal

Novo plano

Então, depois de tudo dar errado, é hora de política pessoal de redução de danos. No meu último ano, tudo deu errado. Como tudo deu ainda mais errado no lugar de onde vim, não posso falar disso a não ser com amigos íntimos.

Tenho quase trinta anos, um mestrado numa universidade Top 5 no mundo e um contrato de free lancer. Não consigo pagar aluguel. Tenho sublocado ilegalmente lugares por um ano aqui por Amsterdã. Estou cansada e não penso nunca na vida. Não tenho quase nunca conversas longas com amigos, porque nessas conversas a verdade sempre sobre à boca, e não posso pensar na verdade agora.

Estou sem casa e sem perspectiva de casa pela sétima vez em um ano. Vou me mudar para um camping. Posso mentir que é uma escolha, não tem como não descrever como escolha, mas é dessas escolhas de cobertor pequeno, sentir frio nos pés ou no peito. Ainda assim, tem um empoderamento, essa coisa de pegar a vida pelas rédeas, depois de me sentir apenas chacoalhada pelo que é externo a mim por tanto tempo, que me sinto um pouco empolgada pela primeira vez em um trilhão de tempos. Estou lendo e aprendendo como vistoriar trailers, como utilizar painéis solares, como decorar e economizar espaço, como isolar tudo para o inverno. Escrevo para campings, tenho uma reunião com o meu segundo preferido na terça-feira. Estou dando ofertas em trailers e levando um check-list de duas páginas para as visitas. Vou morar sozinha, num espaço pequeno, mas só diz espaço pequeno com espanto quem não morou em Paris. 

Vejo vídeos de millenials em trailers, todos com o discurso formatadinho de liberdade, o mesmo que já sei pronunciar, e no fim da liberdade, todos nós com os mesmos contratos de trabalho precários, tão livres tanto quando forçosamente liberados de quaisquer vínculos empregatícios formais. 

Penso muito naquele artigo de como a nossa geração tem expectativas muito altas comparadas à realidade. A minha expectativa era alugar um apartamento. Entendo agora que querem nos forçar goela abaixo a narrativa de muita ambição, querer ter onde morar por um preço justo. Que geração mais mimada.

Ok, vou visitar outro camping agora. Quero deixar esse processo registrado, mas sei lá se vou ter tempo ou motivação. O mundo é móvel e minha casa também vai ser.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O furo no lençol, ou o relacionamento de procedimento sumário.

Do desenvolvimento lento, citações demoradas em cartas longas, os relacionamentos da pós-modernidade líquida passaram para o rito sumário. Formal e materialmente. Não se pede mais muita produção de prova: basta uma madrugada vazia e um olhar cheio. A língua já não se demora na perícia. Não se pode comprovar o que não existe. Religiosos acham que podem, no entanto. O ônus da prova está com eles. Sigo esperando que jorre vinho da minha torneira. Aliás, poucos milagres podem ser mais nobres que transformar água em vinho. Mas, se esse for o critério, meu Deus é o proprietário de uma vinícola francesa e se chama François.

A cognição corporal continua dando-se, no rito de relacionamento sumário, de forma plena e exaurente. Mas sem direito a café da manhã na cama depois. Chega-se a ela bem mais rapidamente, três litros de cerveja e uma camisinha. Nada mais do ultrapassado entrelace demorado de dedos, nada mais da descoberta devagar, do percurso das mãos sobre a camiseta, da vontade explodindo…

Umas baratas.

É meu único trunfo, ser uma barata. Nojenta, patas peludas a buscar migalhas. Sou eu que sobrevivo depois da explosão. Sou eu, não os pássaros, não os cardeais ou o joão-de-barro. Sou eu, carcaça comendo carcaça. Quando não houver mais nada, eu haverei.

Um nada se espremendo entre os buracos da vida, um ponto escuro na parede da cozinha. As lesmas preferiram não voar a ter asas de barata. Baratas não sabem que o vôo é destinado às coisas belas. Baratas não entendem de arte e perfumes. Baratas sobreviverão porque aprenderam a reinar no escuro. São as deusas do breu. Chegam e multidões atiram-se pra uma reza em cima de cadeiras. A Igreja Universal não faz melhor. Baratas não conhecem banquetes que não sejam farelos. A compaixão a uma barata só pode ser doença.

As baratas estão sempre a sós. Baratas têm asco a baratas. É nossa única semelhança com vocês. Baratas não se olham no espelho. As que o fazem, bebem SBP no gargalo depois. Baratas sobrevivem porque se odeiam. Vivem pra esquecer de …

Tudo o que você queria saber sobre a oitava emenda constitucional irlandesa.

Hoje, entre lágrimas, corro pelas notícias sobre o referendo sobre a Oitava Emenda Constitucional irlandesa. Segundo a enquete de saída das urnas, a sociedade, em massa, repeliu-a. Finalmente.

A pesquisa de opinião de saída das urnas aponta que quase 70% dos irlandeses votaram para repelir a oitava emenda, que barrava o aborto legal no país. Esse número espantou todo o mundo.

O "sim" era esperado, apesar de que na época pós-Trump e pós-Brexit, as hesitações eram muitas. O prognóstico, além disso, era de que "sim" vencesse com ligeira vantagem, liderado pelo voto jovem. Não é o que a nova pesquisa mostrou. Nela, o "sim" foi a resposta de 83% do voto jovem, mas em todas as faixas etárias, inclusive de 50 - 64 anos, o "sim" ganhou.

Esse é um referendo que muda a história da Irlanda.

Mas antes que a gente diga "no Brasil isso nunca aconteceria", queria mostrar rapidamente uma linha do tempo sobre como a questão foi pautada, como avançou e…