Pular para o conteúdo principal

Provavelmente vou tirar isso amanhã, mas tô indignada, decepcionada e enfim, furiosa com a manifestação patética de hoje.


Massa de manobra burra, recém acordado ridículo, grita "sem partido" porque não foi o partido que a única mídia que tu lê apoia que criou a porra desse protesto, que agora tu tem certeza absoluta de que é teu e para ti, porque afinal, tudo neste país sempre foi teu e para ti. 

Só que quem eu via lá, desde o começo, o que é uma meia-verdade, porque no bem no começo eu não estava lá, eram só eles, eram essas pessoas que carregam bandeiras. Que as carregavam pelas mesmas ruas anos antes de ti, e as carregarão por anos a vir, ainda que com a tua burrice sem tamanho tu nos proíba a todos de ter partidos políticos outra vez. Enquanto elas faziam isso, tu, recém acordado iluminado, reclamava do trânsito causado pelas manifestações.

Teus anseios políticos não me interessam, de verdade. Vai pro inferno com teu impeachment. Me explica como se dá o processo de impeachment e quem assume depois. Admite. Tu não sabe, não faz sequer ideia, mas é contra o PT, não é? 

Estúpido, só é anti-partidário na hora de dizer do que o outro deve gostar, mas nos teus ódios manipuláveis, aí o partidarismo cai bem. Na época da internet, da informação real em velocidade imediata, é a mesma impressão do século XVIII que decide por ti todas as tuas opiniões, é mais fácil assim. Não é que tu tenha acordado, mas é que está em soneca perene: o que o papel disser, tu concorda. É mais fácil ser ativista social assim, e pega bem no facebook, a selfie com nariz de palhaço:

BASTA DE CORRUPÇÃO!!!!!

Defina corrupção. Agora. Vai lá. Vai dizer que também não sabe? É a única porra da qual tu fala quando menciona teus protestos, além, claro, de tentar expulsar os caras de bandeiras deles. Dos TEUS protestos, criados e mantidos há seis meses por outros, mas agora que tu chegou, cheio de reivindicações, que todo o resto suma. Desapareça. Tu é tão burro e manipulável que não consegue nem lidar com a ideia de que a tua manifestação é fruto das reivindicações históricas dos partidos vermelhos dos caras de bandeira. Tu não aceita. Pede para o policial para tirar os caras de bandeira do protesto que eles organizaram e organizam há anos, antes de tu estrear, prepotente e estúpido, na rua. Mas, talvez isso te surpreenda, mas antes de ti, a rua já estava lá. Antes de ti, a rua já viu iguais a ti. E a rua sabe o que gente assim faz com a rua: tenta de todas as maneiras regrá-la, torná-la totalitária e gris. Sem diversidade, sem pluralidade, sem pauta. 

Depois dessa noite, em que a tua babaquice não teve fim, caro acordado, pela primeira vez na vida espero que o gás tenha tido o efeito esperado de dispersar. Dispersar definitivamente.

Tô com uma raiva sem fim de ti, recém acordado, que acordou no meio de uma multidão e não se dignou, de tanta preguiça intelectual, a perguntar onde tu estava, quem eram eles e para onde estavam indo. Tua arrogância é tamanha que jamais duvidou, sequer por um segundo, de que só podiam estar indo para onde tu quer, que até ontem tu não sabia que queria, mas as fotos de cartazes fofos te mostraram que sim, que é isso mesmo, que é preciso lutar, lutar contra a corrupção mas, principalmente, lutar contra quem não luta como o teu jornal diz que se deve lutar.



Comentários

Anônimo disse…
Não te conheço e é a primeira vez por aqui, mas eu não tiraria esse texto... ficou perfeito...

Postagens mais visitadas deste blog

O furo no lençol, ou o relacionamento de procedimento sumário.

Do desenvolvimento lento, citações demoradas em cartas longas, os relacionamentos da pós-modernidade líquida passaram para o rito sumário. Formal e materialmente. Não se pede mais muita produção de prova: basta uma madrugada vazia e um olhar cheio. A língua já não se demora na perícia. Não se pode comprovar o que não existe. Religiosos acham que podem, no entanto. O ônus da prova está com eles. Sigo esperando que jorre vinho da minha torneira. Aliás, poucos milagres podem ser mais nobres que transformar água em vinho. Mas, se esse for o critério, meu Deus é o proprietário de uma vinícola francesa e se chama François.

A cognição corporal continua dando-se, no rito de relacionamento sumário, de forma plena e exaurente. Mas sem direito a café da manhã na cama depois. Chega-se a ela bem mais rapidamente, três litros de cerveja e uma camisinha. Nada mais do ultrapassado entrelace demorado de dedos, nada mais da descoberta devagar, do percurso das mãos sobre a camiseta, da vontade explodindo…

Umas baratas.

É meu único trunfo, ser uma barata. Nojenta, patas peludas a buscar migalhas. Sou eu que sobrevivo depois da explosão. Sou eu, não os pássaros, não os cardeais ou o joão-de-barro. Sou eu, carcaça comendo carcaça. Quando não houver mais nada, eu haverei.

Um nada se espremendo entre os buracos da vida, um ponto escuro na parede da cozinha. As lesmas preferiram não voar a ter asas de barata. Baratas não sabem que o vôo é destinado às coisas belas. Baratas não entendem de arte e perfumes. Baratas sobreviverão porque aprenderam a reinar no escuro. São as deusas do breu. Chegam e multidões atiram-se pra uma reza em cima de cadeiras. A Igreja Universal não faz melhor. Baratas não conhecem banquetes que não sejam farelos. A compaixão a uma barata só pode ser doença.

As baratas estão sempre a sós. Baratas têm asco a baratas. É nossa única semelhança com vocês. Baratas não se olham no espelho. As que o fazem, bebem SBP no gargalo depois. Baratas sobrevivem porque se odeiam. Vivem pra esquecer de …

Assistindo Black Mirror.

Nas últimas décadas, crescemos com um medo danado de que os video-games fossem nos tornar mais propensos à guerra. No fim das contas, as guerras se tornaram mais propensas aos video-games. De uma sala comendo Doritos nos Estados Unidos se matam pessoas no Paquistão com controles remotos engordurados como no quarto de pré-adolescentes. E quando as pessoas morrem, o que sobra delas?

21 gramas, no século XX, foi o peso da alma. Agora ela é medida em gigabytes em episódios de Black Mirror. No século 21, a alma da gente perdeu peso e ganhou memória. 
Já houve o medo de que a alma não tivesse salvação, por isso rezar, submeter-se e resignar-se a deuses e monstros, a deuses monstruosos. Já houve o medo de que a alma da gente ficasse presa em câmeras fotográficas, de que a pessoa indígena não tivesse alma, de que a pessoa branca não tivesse corpo. Agora o medo é ficarmos presos como holograma, DNA reconstruído e traços de API.
O medo atual, é de que a alma, essa que por milênios foi destinad…